quarta-feira, 15 de abril de 2009

A Caixa dos Segredos


Acho o prazer de ler um livro incomparável. A felicidade que sinto, desde o momento que escolho o livro até ler a ultima frase é tão bom quanto receber um beijo estalado da Ariel ou do Benjamim.
Leitura pra mim é vicio, por isso quando, na semana passada, não encontrei nada na minha biblioteca entrei em desespero. Passei dois dias programando uma ida na livraria que nunca dava certo. Acabei parando em uma banca de revistas por acaso e vi, escondido no meio dos livros de Zibia Gasparetto a capa de um livrinho desprentencioso, o titulo A Caixa dos Segredos, fique tentada em levar a Zibia em minha companhia, mas aquele livrinho parecia me chamar. Perguntei ao balconista o valor – R$ 16,00 disse ele – Paguei o livrinho e levei pra casa.
Me preparei para o momento de me apresentar a ele. Geralmente faço isso como uma cerimonia, procuro um lugar tranquilo, sem barulhos, de preferência na minha pequena varanda onde fico de frente para as rosas e a grama, com a carteira de cigarros e a garrafa de café, desta vez não fiz diferente.
Sentei confortavelmente na minha varanda e abri o livrinho – A caixa dos Segredos – Um romance sobre pedir e receber as riquezas da vida – E o livrinho despretencioso foi me envolvendo e, de repente, cresceu e me deu uma lição.
É uma leitura gostosa, um livro que narra a história de um homem que carregava a maldição familiar de morrer jovem e vivia com medo de morrer ou perder as pessoas que amava.
Em meio a dor insuportável da morte da esposa ele encontra uma caixa onde está guardado um segredo que vai mudar a sua vida e das pessoas que o rodeiam.
A essência do livro está em mostrar que com fé é possível alcançar os desejos mais íntimos. A diferença do livro está no fato de que tudo o que pedir terá que construir, Deus apenas dá os meios para que a própria pessoa realize seus sonhos. Quando se deseja algo se deve ter exata certeza do que deseja, pois uma vez pedido não pode ser mudado.
Assim devemos ser. Desejar exatamente o que queremos para nós e para os outros, sabendo que o outro também tem seus próprios desejos e não devemos desejar ao próximo nada que não queiramos para nós. Devemos lembrar que nós construiremos aquilo que desejamos, então se desejamos felicidade, prosperidade e paz, construiremos coisas boas, mas se desejamos guerra, doença ou mal a alguém teremos que conviver com coisas ruins. Deus está presente para nos ouvir, nos ensinar a pescar, basta dizermos exatamente os nossos sonhos e transformarmos perdas em vitórias.
Cheio de romance, mistério e espiritualidade, A caixa dos Segredos é uma sábia narrativa que mudou minha maneira de encarar a oração e o sentido da vida na terra. Uma parábola para pessoas de todas as crenças (ou de nenhuma delas) para ser lida, estudada e vivida.

2 comentários:

Lulih Rojanski disse...

Tua Hilda Hilst ainda está comigo. Sempre que a vejo na estante, me lembro de você...
Um beijo

Alcinéa Cavalcante disse...

Ler é um imenso prazer. Cercada por roseiras um prazer maior ainda.
Qualquer dias vou conhecer tuas rosas.
Beijos pra ti e o Zé.

Ah, acabei de ler "O vendedor de sonhos", se quiseres te empresto pois acho que vais gostar.