quinta-feira, 9 de julho de 2009

Liberdade



Ela surgiu radiosa acima das copas das árvores. Sua Luz me envolveu. Encheu minha alma de poesia que destilou no ar o cheiro de rosas recém desabrochadas. De mãos dadas com ela sai flutuando por vales floridos e espalhei no ar o perfume da liberdade.
Vida! Em toda a sua essência, sem amarras, sem correntes, sem tempo ou espaço, Livre! Sem momento de chegada ou partida.
Eu, dona de mim, rainha do meu tempo. Simplesmente!

Um comentário:

Márcia Corrêa disse...

Teus textos fazem a gente ter vontade de sair de dentro da casca e voar por aí.