quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Secura!

Computador ligado, cigarros, xicara de café, silencio absoluto e a cruel constatação.
Estou seca!
Onde foi parar a minha veia criativa? A facilidade em criar?
O personagem está aqui, consigo senti-lo em toda sua plenitude, pronto, completo, desesperado para ganhar vida, no entanto, constato.
Estou seca!
Completamente, cruelmente seca!
Minha cabeça viaja tentando descobrir o caminho que o pobre coitado deseja seguir e, nada!
Louco para nascer ele ainda tenta conversar.
- Eu posso ser um grande rei ou quem sabe um politico famoso – me diz ele.
- Não dá amigo, não sei escrever sobre reis e politicos, amiguinho politicos no Amapá não são vistos com bons olhos e eu acabo metendo os pés pelas mãos, não daria certo.
- Então eu posso ser um assassino que mata com crueldade, persegue crianças, rouba velhinhas – tenta ele de novo.
- Odeio violência!
- Então faça um romance, posso ser um apaixonado que sofre pela mulher amada – o coitado estava realmente desesperado.
- Hummmmmmmm.
- Tá, tá bom eu apelei, mas você precisa fazer alguma coisa, o dia está acabando e se não me criar eu perco a força e ai já era.
- Que nada, amanhã você volta de novo.
- Porra nenhuma, amanhã você cria uma deusa maluca que anda pela lua e é apaixonada pelo sol e eu danço, nunca mais vou voltar, ou pelo menos não como estou agora.
- Façamos o seguinte, você fica ai, quietinho, eu vou dar uma volta, vou pensar se consigo descobrir o que fazer com você. Das duas uma, ou eu tenho uma boa idéia ou te esqueço. By.

Coisa chata, onde já se viu personagem querendo mandar em criador? Sai fora!

Nenhum comentário: