segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014


Exorcismo!!!
A palavra era exatamente essa. O demônio particular que lhe dilacerava as carnes precisava ser banido, retirado, eliminado, desterrado do seu coração. Permitiu-se a caminhada longa sob a chuva. O vento eriçava os pelos do corpo e gelava o sangue nas veias. Como em um sonho ela atravessou a distancia até o pequeno hotel onde o vira pela primeira vez.
A chave estava no local que deveria estar e ela se preparou para cumprir o ritual de despedida. Só mais uma vez, pensou, e você nunca mais cruzará o meu pensamento. Subiu as escadas com o vestido molhado colado no corpo, as lágrimas toldando a visão e a vontade de sair correndo lhe dilacerando a alma, a dor não lhe pertencia e seria exilada.
Entrou no pequeno quarto com os olhos fechados e se transportou, voltou no tempo e pela ultima vez escancarou o baú da lembrança. Abriu os olhos e ele estava novamente ao seu lado.
A porta se fechou em sua costa e ela visualizou a enorme cama de casal coberta com lençóis branquinhos, jogou-se sobre ela como se esse gesto fosse o mais natural do mundo. O vestido preto contrastando com a cor dos lençóis e travesseiros. Aquele era o seu lugar, naquele momento...
Olhou para ele e se perdeu na beleza do sorriso que iluminava o rosto de formas másculas marcado pelo andar do tempo. O corpo magro jogou-se sobre o seu, as pernas entre as suas pernas, a boca cobrindo a sua boca. Por um segundo ela buscou a razão que restava e inutilmente tentou esconder o desejo que ele desatou como se desata um nó.
Afogou-se, entregou-se...
A mão grande e poderosa subiu por seu dorso alcançando o decote do vestido libertando o seio, sentiu a textura da pele brincando com o mamilo erguido e rígido de desejo. O gemido rouco escapou da garganta quando ele desceu a boca e tomou para si a maciez da pele...
Esqueceu as convenções, esqueceu a promessa de se proteger, esqueceu o medo do sofrimento. A única coisa que estava em seu pensamento era o desespero de que se ligassem, queria se sentir possuída por ele.
A espera pareceu interminável, a ansiedade fez com que ela parasse de respirar e quando finalmente ele a tomou sentiu que seus destinos se fundiram, ele se tornou seu dono e senhor e ela sua escrava devotada.
Ele foi paciente e carinhoso, a sofreguidão e a fome eram dela, como se ele houvesse criado um apetite que nunca antes existira, foi carregada por ele, levantada e transportada para outro mundo, um mundo que não conhecia, que se quer sabia que existia...
Sentiu como se um vento circulante a tivesse arrancado da terra e levada para o espaço. Foi tocada e tocou outro ser humano, permitiu que alguém transpassasse os portões vigiados da intimidade que nunca antes dividira, permitiu que ele penetrasse seu ser alçando todas as barreiras.
O que tinha temido durante toda a vida com medo da aniquilação, estava recebendo das mãos dele como complemento. Sabia que seu mundo havia se transformado, nunca mais seria o mesmo, colou-se a ele desejando que aquela revelação nunca chegasse ao fim, que aquele momento de transfiguração fosse perpetuado.
A guerreira fora subjugada, estava entregue e com o corpo saciado depois da consumação do amor sentiu-se perpetuamente ligada a ele, satisfeita deitou a cabeça no seu peito, fechou os olhos e adormeceu.
Acordou sobressaltada, colou os lábios na pulsação da veia saltada no pescoço dele e só então tomou consciência do tamanho do ato que havia cometido, entregara-se, oferecera-se em sacrifício e sabia que o preço que teria que pagar seria alto.
Levantou-se da cama e esperou que as nuvens iniciassem o parto do sol, olhou para ele adormecido, o lençol branco cobrindo parcialmente o corpo nu, as pernas longas de músculos aparentes, o ventre achatado coberto de pelos, a boca fina, o braço levemente estendido em um convite mudo de aconchego, ninguém havia lhe preparado para esse sentimento de completa fidelidade a ele, ninguém lhe havia amado como ele, ninguém lhe havia mostrado como sentir prazer de forma tão insana.
Deixou que as lágrimas lhe inundassem os olhos e escorressem pelo rosto em direção aos seios, tocou a nuca exatamente no ponto onde ele mordera, tocou os seios onde ele tocara, procurou na intimidade entre as pernas a prova do seu prazer misturado ao dele. Olhou todos os cantos do quarto do hotel. Perpetuou na memória os detalhes.
Voltou para a cama e se aconchegou no exato momento em que ele abria os olhos para murmurar em seu ouvido, “eu nunca vou te fazer sofrer, você acumulou muitas perdas, tá na hora de ser feliz e eu vou te fazer feliz, você confia em mim?”...
Ela confiou, acreditou que poderia ousar ser feliz, acreditou que ele era diferente, mas ele, como todos também usava máscara...
Agora ele faz parte da lista de perdas que ela decidiu encerrar. A noite foi sua companheira de lembranças e foi a lembrança que invocou ao levantar-se e esperar que o sol começasse a pintar as nuvens olhando pela janela de vidro...
O demônio da lembrança foi expulso, sabia que o tempo se encarregaria de fechar a ferida que ainda sangrava, no entanto se permitiu sonhar com uma nova vida, encheu os pulmões com o ar da manhã e abriu o sorriso ao sair do hotel.
Como uma águia que acabara de se renovar era assim que se sentia ao experimentar na face o vento gelado da manhã, eu te amo disse ao rosto refletido no espelho de água que cobria a rua.
Renascida!!!!



2 comentários:

Orcirene Seabra disse...

vou passar a vida inteira procurando e mesmo assim não vou encontrar quem expresse os sentimentos de maneira tão clara. Sinto tua dor como se minha fosse,

Araciara Macedo disse...

Obrigada querida,
bom saber que posso dividir meus guardados com pessoas que gostam da minha arte